Bolsa Pixel em Zig Zag

DSC03735_edit_web_square.jpg

Processo - Como é que vou fazer isto?

Esta foi uma bolsa feita por encomenda e para alguém especial. Alguém que me disse "Faz um padrão ao teu gosto, desenhado por ti do zero.". É claro que isso é completamente impossível, porque com certeza há mais gente pelo mundo fora a trazer este tipo de técnica. Aliás, tenho colchas e mantas feitas pelas minhas bisavós que foram feitas com esta técnica.

Ainda assim, queria fazer algo rápido (porque me deram um prazo um pouco apertado) e queria ter um padrão a que não tivesse de recorrer a livros nem a tutoriais; só eu, um lápis e papel. Foi aí que me lembrei do Sketchbook da Molla Mills - irei dedicar um post só para este caderninho, fiquem atentas-.
Já há algum tempo que andava de olhos postos nele, depositando-lhe a esperança de que fosse uma boa bitola para entender a lógica da contagem dos pontos. Acreditem que não se acerta à primeira!

 À venda na   wook.pt

À venda na wook.pt

E como estava a dize anteriormente, eu finalmente passei a dar o devido valor às amostras (sample squares), porque é com este quadradinho de padrão que vamos ter a verdadeira noção das dimensões finais do trabalho, se a linha e/ou agulha foram bem escolhidas e também com quantas correntes precisamos de começar.
Como uma boa "virginiana" que sou, tenho a mania do perfeccionismo e como tal, sou capaz de contar pontos duas e três vezes seguidas até acertar. Da mesma forma que, se detectar uma falha num ponto, sou menina para desmanchar o trabalho até a esse ponto, só para que tudo fique na perfeição. (Foi assim que a minha avó me ensinou. A ter muita paciência e fazer as coisas bem feitas!)

Amostras ou Square Samples - um recurso essencial

Com o devido uso do sketchbook, desenhei um ziguezague no quadriculado das páginas e fiz as contas todas que precisava. Fiz a primeira volta e tudo parecia bem, por isso, continuei até obter este resultado.

bolsa_pixel_amostra_hookoflife.jpg

Uma amostra também é o nosso melhor guia para quando se vai tirando notas para o esquema à medida que se vai trabalhando. Só com este pedacinho obtemos as seguintes informações:
   . de quantas correntes precisamos para iniciar o trabalho
   . quantas filas vamos ter para cada ziguezague
   . contagem de quadrados vazios e cheios ao longo do trabalho
   . extipular uma medida final

E andei eu a ignorar as square samples este tempo todo!
Já me passou pela cabeça uma ideia para ter uma colecção engraçada de samples, inspirada no projecto de Crochet Along -CAL- onde fiz uma manta pela primeira vez, cujo objectivo era aprender vários tipos de pontos por cada tira que ia fazendo. (Também um assunto para um post futuro).

E sem mais demoras aqui vão as fotos do resultado final!

O Produto acabado com sucesso! 

Mais um para o portfólio. Espero que gostem!